Segunda Tela

Mais da metade das pessoas com acesso à internet no mundo usam um smartphone para conectar-se às redes. A informação é de um estudo feito em 2018 pela agência norte-americana We are Social, em parceria com o Hootsuite. Ainda segundo a pesquisa, que dedicou atenção especial ao desenvolvimento da internet no continente americano, 85% dos brasileiros conectados à rede por meio de um smartphone passam, em média, 9h horas por dia conectados, sendo o YouTube, Facebook e WhatsApp as maiores redes sociais no país.

 

Há 4 anos a agência Go2Web publicou uma série de conteúdos sobre o que eles chamaram de ‘O fenômeno da Segunda Tela’. Naquela época, segundo o IBOPE, quase 18 milhões dos brasileiros usuários de internet faziam uso da rede enquanto assistiam televisão, representando mais de 54% de todos os usuários de internet no país. Em 2015, em um artigo publicado na Revista Famecos, as pesquisadoras Ana Sílvia Médola e Elissa Schpallir Silva apresentam este fenômeno como sendo a incorporação de dispositivos móveis no modo de assistir programas televisivos. Segundo elas, esta prática – que se torna cada vez mais comum – fomenta não somente a mudança de comportamento do telespectador ao receber o conteúdo apresentado pela televisão, mas oportuniza também um novo comportamento daquele que oferece o conteúdo. Isso quer dizer que o uso de uma segunda tela ao assistir TV pode ser uma prática espontânea do usuário, assim como ele também pode ser estimulado por ela.

 

Com os textos, a Go2Web tinha o objetivo de promover um aplicativo, desenvolvido pela agência para que as pessoas conectadas pudessem receber informações em tempo real durante o desfile da Escola de Samba Estação Primeira de Mangueira, em 2014. A experiência da agência foi amplamente divulgada em telejornais de rede e matérias de revistas e portais com alcance nacional.

 

Dois anos depois, a TV Band surpreendeu com uma ação inédita envolvendo a emissora, o programa MasterChef Brasil, o Twitter, a operadora de telefonia móvel TIM e a Samsung. Durante a final ao vivo do programa o anúncio do vencedor da edição foi ‘twittado’ do estúdio do programa, e só quem estava conectado na rede social naquele momento soube do resultado antes dele ser divulgado na televisão. A ação se repetiu na temporada 2018 do programa mas, desta vez, a rede escolhida foi o Instagram.

 

Ao fazer uso da segunda tela, o telespectador tem a oportunidade de interagir não mais somente com o aparelho de televisão, mas com o conteúdo que ele apresenta e com outras pessoas que também estão recebendo aquele conteúdo naquele momento e isto é considerado um grande salto em relação às participações por carta, e-mail ou telefone em programas que o telespectador pode conversar ao vivo com o apresentador. Em 2013 a eCGlobal Solutions realizou um estudo no Brasil que revelou que a principal atividade desenvolvida pelos telespectadores que fazem uso da segunda tela é o envio de comentários sobre os programas nas redes sociais. Depois disso, o brasileiro utiliza para buscar mais informações sobre o assunto apresentado. O fato de 34% dos brasileiros entrevistados afirmarem que utilizam a segunda tela para emitir comentários e conversar sobre o programa com outras pessoas conectadas nos possibilita a analogia de que as redes sociais se transformam em um grande sofá, onde cabe muito mais gente que as poucas pessoas que caberiam em uma sala assistindo o programa em uma tela só e comentando-o entre si. Além disso, o telespectador busca informações que complementam seu entendimento do conteúdo, e então, o encontra nos comentários e reflexões compartilhadas por outros telespectadores. Desta maneira, sua interpretação é, na verdade, um produto da socialização propiciada por meio da segunda tela.

 

A televisão, que costumava ser o único aparelho eletrônico ligado na sala tornou-se apenas mais um, dividindo a atenção de seus espectadores com smartphones, tablets e notebooks. Fato que no início da popularização da internet foi visto como ameaça, atualmente é entendido como imprescindível para que os programas sejam repensados para acompanhar o desenvolvimento tecnológico, tornando a segunda tela uma aliada. A interação possibilitada pela existência de conteúdos exclusivos online, comentários em redes sociais – muitas vezes exibidos durante programas ou votações – aproximam telespectadores, dando a eles participação e controle sobre o conteúdo. Essa interação é vista como um dos principais fatores para que cada vez mais pessoas se interessem em ver o programa ao vivo, fazendo parte das discussões sobre o que é transmitido.

 

REFERÊNCIAS

 

FREITAS, Marcos. O fenômeno da segunda tela. Blog Go2Web. Disponível em: <http://www.go2web.com.br/pt-BR/blog/o-fenomeno-da-segunda-tela.html>. Acesso em 21 ago. 2018.

 

MASSAROLO, J. C. DARIO, M. Estratégias contemporâneas do storytelling para múltiplas telas. Revista Latinoamericana de Ciencias de la Comunicacíon, v. 11, n. 21, 2014.

 

MÉDOLA, A. S. SILVA, E. S. Segunda tela e a reconfiguração das práticas comunicacionais no processo de fruição da televisão. Revista Famecos, Rio Grande do Sul, v. 22, n. 1, 2015.

 

We Are Social, Digital in 2018: World´s internet users pass the 4 billion mark. Disponível em: <https://wearesocial.com/blog/2018/01/global-digital-report-2018>. Acesso em  23 ago. 2018.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *