Crowdsourcing

Citado pela primeira vez em 2006, o termo “crowdsourcing” se refere a um processo colaborativo que surge a partir do momento em que há uma reunião de indivíduos com um objetivo comum: o de agregar conhecimentos em torno da solução de problemas. Naquele tempo, há pouco mais de uma década atrás, os jornalistas Jeff Howe e Mark Robinson – então editores da Revista Wired, veículo que publicou o termo pela primeira vez – não poderiam imaginar que, hoje, crowdfunding seria um novo modelo de interação social baseado na construção coletiva de soluções para os mais amplos grupos sociais.

Atualmente, milhares de empresas estão aderindo a este novo conceito de produção, e propondo plataformas diferenciadas com um alto padrão de interação entre os mais variados públicos. Isso porque crowdsourcing se beneficia, também, dos conhecimentos adquiridos pelos indivíduos, que participam de forma voluntária e são recrutados principalmente nas plataformas digitais.

Assim, cria-se uma rede de conhecimentos com o objetivo de resolver problemas corriqueiros, criar conteúdos relevantes, prover serviços e até mesmo desenvolver novas tecnologias. É uma forma amplamente difundida de se ter acesso a conhecimento especializado com baixo (ou nenhum) custo.

Mas como o crowdsourcing pode beneficiar pessoas e empresas?

A resposta é simples: através de uma gestão inteligente do conhecimento, é possível irmos mais longe, tanto enquanto indivíduos quanto como integrantes de um determinado grupo. Nesse sentido, o ser humano pode construir sua própria individualidade a partir do inconsciente coletivo em que está inserido.
Ideias podem ser disseminadas com mais força e mudanças podem ser conquistadas por grupos sociais e pela humanidade como um todo, com uma velocidade sem precedentes.

Ao mesmo tempo em que o crowdsourcing enriquece as pessoas enquanto grupos e indivíduos, empresas de todos os setores da nova economia também encontram neste novo modelo colaborativo uma alma empreendedora, que ajuda a solucionar questões internas e externas. Entre tais questões, as novas
formas de relação sociais a partir dos avanços tecnológicos dos últimos dez anos.

 

Um exemplo é a evidente evolução dos formatos e a transformação nas interfaces dos principais portais de notícias do Brasil, como o site do G1 – exemplo dado por Rafael Zatti no e-talk, promovido pela Endeavour -, que passou a contar com a ampla participação dos leitores na construção de notícias mais confiáveis e em menor tempo.

Notícias confiáveis e com mais rapidez. Se pararmos para pensar em como isso foi possível de ser conquistado apenas com o engajamento do público, fica mais simples de compreender como o crowdsourcing consiste em uma estratégia real e eficiente para o futuro.

AUTORES:
Ana Carolina Silva
Betina Bonilauri
Thuany Schmitz

REFERÊNCIAS:
ENDEAVOUR. Mil cabeças pensam melhor que uma: saiba tudo sobre
crowdsourcing. Disponível em: https://endeavor.org.br/crowdsourcing/. Acesso
em: 16/10/2017
ZATTI, Rafael. Crowdsourcing, o que é? Disponível em:
https://www.youtube.com/watch?v=3lQoe9GlYWU&t=99s. Acesso em:
16/10/2017

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *